um copo de leite

Publicado: 17/08/2010 em Uncategorized

Numa tarde quente de um forte verão, transpirando demasiadamente e com muita sede, bateu a porta de uma casa humilde um pobre moço que vendia livros, a fim de se manter nos estudos. Queria oferecer alguns dos livros que levava.
Veio atendê-lo uma mocinha com ares ingênuos, porém muito educada, atenciosa e meiga.
– Minha mãe não está em casa. Foi a cidade fazer uma pequena compra, mas não creio que pudesse comprar qualquer livro, o que é uma pena…
– Está bem, garota. Mas será que você poderia me dar um copo d’água?
– Oh, sim, claro que posso. Temos água bem fresquinha, mas o senhor não prefere um copo de leite frio?
– E como prefiro, filha. Não terei tempo de fazer qualquer refeição antes da primeira aula, que terá início daqui a uma hora. Portanto, se isso não for muito trabalhoso, eu bem que aceito com muito prazer!
– Nenhum trabalho… Minha mãe nos ensinou a tratar bem as pessoas.
Dizendo isto, a mocinha foi à copa buscar o leite que o pobre estudante bebeu avidamente, já pela sede e já pela fome.
Depois desse dia, muitos anos se passaram. A garota cresceu e se tornou uma mulher respeitável, simpática e dedicada.
Num quarto de hospital, entretanto, certo dia a jovem estava em observação e convalescendo de séria enfermidade.
– Amanhã você terá alta – disse-lhe a enfermeira naquela tarde. O médico lhe dará alta nesta noite ou logo de manhãzinha. Terá de continuar com o repouso e usando os medicamentos por mais duas semanas, mas é possível fazer tudo isso em sua própria casa. Gostou da notícia?
– Gostei muito! Há tantos dias venho esperando por isto, mas estou seriamente preocupada com a conta do hospital. Onde vou conseguir os recursos necessários para pagá-la? Não tenho dúvidas que será alta, e tudo o que temos representa o mínimo…
– Não fique assim tão angustiada. Toda essa tensão lhe fará mal. Vou a tesouraria verificar a conta e volto já com a informação, mas fique calma, por favor.
Dentro de aproximadamente quinze minutos retornou a enfermeira, trazendo a conta numa das mãos.
– Minha vida! – exclamou a moça antes de examinar o papel. O que será de mim para liquidar esse débito?
A essa altura a enfermeira a tranqüiliza e, após a verificação da conta, ela aponta uma frase que o médico havia escrito na parte inferior da conta, com a sua própria letra:
“Tudo está pago por um copo de leite que foi oferecido a um pobre estudante, numa tarde quente de verão.”

DOAÇÃO

Publicado: 15/07/2010 em Uncategorized

Havia uma garota cega que se odiava pelo fato de ser cega!
Ela também odiava a todos… exceto seu namorado!
Um dia ela disse que se pudesse ver o mundo, ela se casaria com ele. Em um dia de sorte, alguém doou um par de olhos a ela! Então o seu namorado perguntou a ela:
– Agora que você pode ver, você se casa comigo?
A garota ficou chocada quando viu que seu namorado era cego! Ela disse:
– Eu sinto muito, mas não posso me casar com você porque você é cego!
O namorado afastando-se dela em lágrimas disse:
– Por favor, apenas cuide bem dos meus olhos… eles eram muito importantes pra mim…
Nunca despreze quem te ama! Às vezes, as pessoas fazem certos sacrifícios e nós nem ligamos…
Autor desconhecido

Acredite na mágica que há dentro de você. Toda pessoa é um ser mágico, sua concepção e nascimento foi uma grande magia da natureza. Acredite, existe um grande poder dentro de você, um poder que é capaz de mudar suas atitudes, influenciar o meio em que você vive. A escolha é sua! Você pode decidir entre realmente fazer a diferença ou ser mais um no meio da multidão. Mas, saiba que como todo bom mágico é preciso muito trabalho e perseverança para estar entres os melhores. Acreditar nos seus dons, nos seus sonhos, no seu talento é a base para construir uma carreira de sucesso.

O discípulo

Publicado: 24/05/2010 em Uncategorized

O discípulo

Autor desconhecido

Um discípulo procurou o rabino Naham de Braslaw: – Não continuarei mais meus estudos sagrados. Moro numa pequena casa com meus pais e meus irmãos, e nunca encontro as condições ideais para concentrar- me no que é importante.

Naham apontou o Sol e pediu que seu discípulo colocasse a mão na frente do rosto de modo a ocultá-lo. O discípulo fez isto. Então o rabino disse: – Sua mão é pequena, porém conseguiu cobrir por completo a força, a luz e a majestade do imenso sol. Da mesma maneira, os pequenos problemas conseguem lhe dar a desculpa necessária para não seguir adiante em sua busca espiritual. Ninguém é culpado da própria incompetência. Assim como a mão tem o poder de esconder o sol, a mediocridade tem o poder de esconder a luz interior.

Não deixe que isso aconteça.

A parte mais importante do corpo
Autor desconhecido
Quando eu era muito jovem, minha mãe me perguntou qual era a parte mais importante do corpo. Eu achava que o som era muito importante para nós, seres humanos, então eu disse:
– Minhas orelhas, mãe. Ela disse:
– Não. Muitas pessoas são surdas. Mas continue pensando sobre este assunto. Em outra oportunidade eu volto a lhe perguntar. Algum tempo se passou até que minha mãe me perguntou outra vez. Desde que fiz minha primeira tentativa, eu imaginava ter encontrado a resposta correta. Assim, desta vez eu lhe disse:
– Mãe, a visão é muito importante para todos, então devem ser nossos olhos. Ela me olhou e disse:
– Você está aprendendo rápido, mas a resposta ainda não está correta porque há muitas pessoas que são cegas. Dei mancada outra vez. Eu continuei minha busca por conhecimento ao longo do tempo e minha mãe me perguntou várias vezes e sempre sua resposta era:
– Não. Mas você está ficando mais esperta a cada ano. Então, um dia, meu avô morreu. Todos estavam tristes. Todos choravam. Até mesmo meu pai chorou. Eu me recordo bem porque tinha sido apenas a segunda vez que eu o via chorar. Minha mãe olhou para mim quando fui dar o meu adeus final ao vovô. Ela me perguntou:
– Você já sabe qual a parte do corpo mais importante? Eu fiquei meia chocada por ela me fazer aquela pergunta naquele momento. Eu sempre achei que era apenas um jogo entre ela e eu. Observando que eu estava confusa ela me disse:
– Esta pergunta é muito importante. Mostra como você viveu realmente a sua vida. Para cada parte do corpo que você citou no passado, eu lhe disse que estava errada e eu lhe dei um exemplo que justificava. Mas hoje é o dia que você necessita aprender esta importante lição. Ela me olhou de um jeito que somente uma mãe pode fazer. Eu vi lágrimas em seus olhos. Ela disse:
– Minha querida, a parte do corpo mais importante é seu ombro. Eu perguntei:
– Porque eles sustentam minha cabeça? Ela respondeu:
– Não, é porque pode apoiar a cabeça de um amigo ou de alguém amado quando eles choram. Todos precisam de um ombro para chorar em algum momento de sua vida. Eu espero que você tenha bastante amor e amigos e que você tenha sempre um ombro para chorarem quando precisarem. Então eu descobri que a parte do corpo mais importante não é egoísta. É ser “simpático” à dor dos outros. E, para completar, em algum lugar eu li:
“As pessoas se esquecerão do que você disse… as pessoas se esquecerão do que você fez… mas as pessoas nunca se esquecerão de como você as fez sentir. Os bons amigos são como estrelas… que você nem sempre as vê, mas você sabe que sempre estão lá”

O SÁBIO

Publicado: 11/05/2010 em Uncategorized

O sábio

Autor desconhecido

Certo dia, a Solidão bateu à porta de um grande sábio. Ele convidou-a para entrar. Pouco depois, ela saiu decepcionada. Havia descoberto que não podia capturar aquele ser bondoso, pois ele nunca estava sozinho: estava sempre acompanhado pelo amor de Deus.

De outra feita, a Ilusão também bateu à porta daquele sábio. Ele, amorosamente, convidou-a a entrar em sua humilde morada, mas logo depois ela saiu correndo e gritando que estava cega. O coração do sábio era tão luminoso de amor que havia ofuscado a própria Ilusão..

Em outro dia, apareceu a Tristeza. Antes mesmo que ela batesse à porta, o sábio assomou a cabeça pela janela e dirigiu-lhe um sorriso enternecedor. A Tristeza recuou, disse que era engano e foi bater em alguma outra porta que não fosse tão luminosa.

A fama do sábio foi crescendo e a cada dia novos visitantes chegavam, objetivando conquistá-lo em nome da Tentação. Em um dia era o Desespero, no outro a Impaciência. Depois vieram a Mentira, o Ódio, a Culpa e o Engano.

Pura perda de tempo: o sábio convidava todos a entrar e eles saíam decepcionados com o equilíbrio daquela alma bondosa.

Porém, um dia, a Morte bateu à sua porta e ele convidou-a a entrar…

Os seus discípulos esperavam que ela saísse correndo a qualquer momento, ofuscada pelo amor do mestre. Entretanto, tal não aconteceu. O tempo foi passando e nem ela nem o sábio apareciam.

Cheios de receio, os discípulos penetraram a humilde casa e encontraram o cadáver de seu mestre estirado no chão.

Começaram a chorar ao ver que o querido mestre havia partido com a Morte. Na mesma hora, entraram na casa a Ilusão, a Solidão e todos os outros servos da Ignorância que nunca haviam conseguido permanecer anteriormente naquele recinto. A Tristeza havia aberto a porta e os mantinha lá dentro.

MORAL DA HISTÓRIA
Entram em nossa morada aqueles que convidamos, mas só permanecem conosco aqueles que encontram ambiente propício para se estabelecerem.
Você deve abrigar no seu coração apenas o melhor que Deus deixou para você.
Dependendo do que colocar poderá causar danos e marcas.

O TOLO

Publicado: 11/05/2010 em Uncategorized

O tolo

Autor desconhecido

Conta-se que numa pequena cidade do interior um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia…Um pobre coitado de pouca inteligência, que vivia de pequenos biscates e esmolas. Diariamente eles chamavam o bobo ao bar onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas – uma grande de 400 réis e outra menor, de dois mil réis. Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos.

Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos.

“Eu sei” – respondeu o não tão tolo assim – “ela vale cinco vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar minha moeda”.

Podemos tirar várias conclusões dessa pequena narrativa. A primeira: quem parece idiota, nem sempre é. Dito em forma de pergunta: Quais eram os verdadeiros tolos da história? Outra: se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda. Mas a conclusão mais interessante, a meu ver, é a percepção de que podemos estar bem mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito.

Portanto, o que importa não é o que pensam de nós, mas o que realmente somos.